Credo Apostólico

O Credo Apostólico

O Credo Apostólico foi um instrumento pedagógico desenvolvido pela igreja antiga entre os séculos II e VII a.D. para resumir o conteúdo central da fé cristã, a fim de ensiná-la aos iniciantes nesta fé e defendê-la das heresias que assolaram a igreja naquele período. Desde então, a Igreja tem feito uso contínuo do Credo Apostólico na instrução dos candidatos ao batismo e também na celebração dominical da morte e ressurreição do Senhor Jesus Cristo. É importante ressaltar que o Credo é um excelente servo, mas um péssimo mestre na educação cristã. Ele não serve como substituto para o estudo das Escrituras Sagradas – a regra final de fé e prática da Igreja – mas sim como auxílio na compreensão do Deus revelado nos escritos dos profetas e apóstolos.

Esta é a confissão de fé mais usada na adoração pública da Igreja Cristã Ocidental. Suas doutrinas centrais são a Trindade e a Encarnação do nosso Senhor Jesus Cristo. Talvez a versão mais antiga escrita do Credo, aparentemente usada pelos candidatos ao batismo nas igrejas locais (Roma principalmente), é a versão chamada “Hippolytos” (Credo Interrogativo de Hipólito 215 a.D.) em formato de perguntas e respostas. A forma atual foi primeiramente encontrada nos escritos de Caesarius de Arles (542 a.D.).

Conta-se que o texto primordial do Credo foi escrito pelos apóstolos dez dias após a ascensão de nosso Senhor Jesus Cristo ao Céu. Embora esta versão da origem do Credo Apostólico já tenha sido extensamente revista e atualizada, o nome permanece até hoje.

A

 versão oficial do Credo adotada pela Igreja Cristã Nova Vida é a seguinte:

Creio em Deus Pai Todo-Poderoso,
Criador dos céus e da terra;
E em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor;
O qual foi concebido por obra do Espírito Santo;
Nasceu da virgem, Maria;
Padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos;
Foi crucificado, morto e sepultado;*
E ao terceiro dia, ressurgiu dos mortos;
Subiu ao céu e está assentado à destra de Deus Pai, Todo-Poderoso,
de onde há de vir para julgar os vivos e os mortos;
Creio no Espírito Santo,
Na Santa Igreja de Cristo,**
Na comunhão dos santos,
Na remissão dos pecados,
Na ressurreição do corpo
E na vida eterna. Amém.

* A maior parte das igrejas que adotam o Credo Apostólico usa a versão tradicional que contém a afirmação de que Jesus “desceu ao Hades” ou à “mansão dos mortos”. Enquanto há textos bíblicos que dão margem para essa afirmação (dos quais 1Pe 3:18-22 é o mais convincente), sua inserção no Credo veio tarde (séculos V e VI) e não houve unanimidade no desenvolvimento histórico deste texto. Portanto, nós da Igreja Cristã de Nova Vida não incluímos essa afirmação em nossa confissão devido ao seu respaldo bíblico polêmico. Diferentemente das outras afirmações do Credo, é possível excluir esta referência à descida ao Hades sem alterar em nada a doutrina e proclamação dos apóstolos e sem deturpar a mensagem e comunhão da Igreja de Jesus Cristo.

** Não adotamos aqui a afirmação tradicional “Na santa Igreja católica” por razões polêmicas dentro da tradição protestante no Brasil, mas não contestamos a natureza católica da Igreja (ou seja, não questionamos a abrangência “universal” – sentido original da palavra grega “katholica” – do Evangelho, a mensagem viva do corpo de Cristo).