IPNV ou ICNV

IPVN ICNV

Caríssimos Irmãos em Cristo,

Que a graça do Nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos. Deus está nos guiando e abrindo tantas novas oportunidades para a Nova Vida que não sei nem como começar a falar de todas elas. Mas hoje me limito a fazer um comunicado simples e de grande importância.

Em maio de 2008, foi aprovada pelo Colégio de Bispos a mudança do nome da Igreja Pentecostal de Nova Vida para Igreja Cristã Nova Vida.

Há três razões que nos levaram a fazer isto:

P

rimeira, toda a Igreja de Jesus Cristo se reporta ao dia de Pentecostes como o início de sua expansão. Embora ela tenha nascido quando Jesus soprou sobre os discípulos com as palavras, “recebei o Espírito Santo”, certamente o início da sua expansão (além dos discípulos diretos de Jesus encarnado) começou neste dia em que o Espírito Santo se manifestou de modo maravilhoso. Sua manifestação causou espanto em todos os que se achavam em Jerusalém. Pedro explicou que havia se iniciado uma nova era – “os últimos tempos”, segundo a profecia de Joel. Após a sua proclamação de Cristo e sua cruz, três mil pessoas foram acrescentadas à Igreja, pelas águas do batismo. Por isto, cremos que a denominação “pentecostal” é equivocada ao se referir apenas à manifestação de sinais, prodígios e o falar em línguas estranhas. Estas manifestações devem estar presentes em todas as igrejas. Se forem isoladas da proclamação plena do evangelho, da dedicação ao ensino, da comunhão, dos sacramentos, da oração, do sacrifício, da generosidade, da hospitalidade e do temor a Deus, a igreja perde seu equilíbrio – algo que francamente já acontece muito nos círculos pentecostais. Posso falar isto, pois a própria história da minha família vem desde o primeiro ano de avivamento em Los Angeles. Já sou a quarta geração de pentecostais na família McAlister.

S

egunda, na intenção de reconhecer que fazemos parte da Igreja, que já proclama o Reino de Deus, há dois mil anos, cremos que a denominação atual “pentecostal” implica numa postura sectária – quer dizer, numa postura que nos destaca da igreja maior e dos nossos irmãos em Cristo. Já o adjetivo “cristã”, afirma nosso compromisso com o Corpo de Cristo todo. Manteremos o nome “Nova Vida”, honrando assim o nosso fundador, Bispo Roberto McAlister, meu pai.

T

erceira, a palavra “pentecostal”, para a maioria, representa algo que não nos descreve mais. Assim como outras palavras que mudaram de significado com o passar do tempo, esta em particular se confunde com inúmeras práticas, crenças, tradições e conceitos que não podemos mais defender (como rosas abençoadas, sal grosso e outras coisas do gênero). Após muitos anos tentando defender que “tipo de pentecostais” nós somos, cremos que seja hora de mudar o nosso nome, sem abrir mão da nossa dependência do Espírito Santo, inclusive no que tange a sua manifestação entre os fiéis com sinais e prodígios, também.

A partir desta data, cada igreja será denominada “Igreja Cristã Nova Vida”. A denominação, da qual sou Bispo Primaz, será denominada “Aliança das Igrejas Cristãs Nova Vida”.

Toda mudança gera um certo nível de incerteza e dúvidas. É importante que todos saibam que, em nenhum momento, esta mudança representa uma intenção de desviar os rumos já estabelecidos da igreja. Continuaremos a ministrar no mesmo espírito e com os mesmos objetivos, até aqui observados. Cremos que a mudança seja importante para este momento histórico e para melhor representar o que realmente somos. Na intenção de pensar com clareza e nos expressar com clareza, sendo claramente compreendidos, temos confiança de que o pequeno desconforto da mudança será rapidamente superado por todos.

Que Deus nos abençoe rica e abundantemente,

Bispo Primaz, Walter McAlister